Jogos gaudérios

Truco

Jogo de cartas entre dois ou quatro parceiros, cada um dos quais recebe três cartas. Quando é apenas entre  duas pessoas chama-se truco de mano.

Dá um tranquito até as poesias e veja esta aí abaixo completa:

"O TRUCO é um jogo tão guasca

Como a Tava e as Chilenas.
Velhas cartas Sarrancenas
Quatro a quatro, do Ás ao Rei

Trucando assim me criei
De Mano, Quatro, Oito ou Seis

E até jogando de Três
Muito Carancho tosei.

Sete em porta

Jogo de cartas, variante do monte. Joga-se com vinte e um ou mais baralhos, em uma caixa da qual o banqueiro tira duas cartas, fazendo-se nestas as apostas.
Não ficando reservada ao banqueiro nenhuma carta,  a vantagem dele consiste em pagar apenas 50% das apostas quando a carta sai em porta, quer dizer, quando é  a primeira a ser tirada, e, além disso, em ganhar, em tal caso, o total apostado na outra carta.


Jogo do Osso

Jogo de azar em que intervem dois contendores, frente a frente numa faixa de terreno, chamada cancha, com extensão variável de oito a 11 passos, e que consiste em arremessar para cima um osso de jarrete de gado bovino, aparelhado em dois de seus lados, ganhando caso o osso caia no chão com sua parte concava para cima.

A cancha com uma braça de largura, chega, e três de comprimento; no meio bota-se uma raia de piola (cordão, barbante), amarrada em duas estaquinhas ou mesmo um risco no chão, serve; de cada cabeça da cancha é que o jogador atira, sobre a raia do centro: este atira daqui para lá, o outro atira de lá pra cá.  O osso é chamado de taba (ou tava), que é o osso do garrão de rês vacum. O jogo é só de culo ou suerte. Culo équando a taba (o osso) cai com o lado arredondado pra baixo; quem atira assim perde logo a parada. Suerte é quando o lado chato fica embaixo: ganha logo e sempre.

Quer dizer: quem atira culo perde, se é suerte ganha e logo arrasta a parada.

Bocha 

Este jogo consiste em arremessar, desportivamente, bochas (bolas) de madeira ou de resina  sintética, sobre uma cancha de terra batida. Numa disputa, entre duas pessoas, visa-se o lugar  mais próximo ao "balim" (pequena bocha), concorrido com arremessos de 4 bochas cada jogador e  a posterior contagem dos pontos. Inicia-se  a jogada com o arremesso do balim pelo jogador que logrou mais pontos na partida anterior. Cabe-lhe, igualmente, o direito de arremessar a primeira bocha. Quando um está no  "ponto" (mais próximo do balim), faz com que seu adversário jogue suas bochas até conseguir lugar  mais próximo ou acabe as suas bochas. O jogo de bocha foi trazido para o Rio Grande do Sul, provavelmente pelos italianos, que têm  como seu esporte favorito. O surgimento deste jogo foi na Espanha, onde camponeses espanhóis  jogavam com bochas de "pedra-sabão". 

Posterior aos anos 60, veio a utilização do cerne de madeira,  quando o pau-ferro, extremamente duro e pesado, teve o grande domínio das canchas de bochas. O jogo de bocha não é tão antigo em nossos pampas, porém é de profunda aceitação em todas as  regiões. Os italianos levaram-no para todas as suas colonizações. Este jogo não guarda marcas de  machismo. Não disputa coragem nem agilidades. Disputa, desportivamente, a firmeza e o tenteio do  pulso, no "arrime" ou precisão de um "tiro", no "bochaço". Antigamente eram permitidas as  "lagarteadas" - arremesso livre das bochas pelo ar,  invés de rolar. Hoje as regras determinam  distâncias específicas para as áreas a serem atingidas pelos bochaços.

Bolita

As bolinhas de gude, de inhaque, unhas ou bolitas, são o jogo por excelência dos guris de qualquer idade. Surgem geralmente depois das chuvas, quando os campinhos estão molhados e a meninada tem que brincar perto de casa. Diversas modalidades de jogo são praticadas, entre elas o Boco ou Imba, o Triângulo, a Circunferência, etc, que podem ser "as vera" ou "as brinca". "As vera" quando o jogador perde também suas bolitas, e "as brinca", quando perde só o jogo, oeste caso feito apenas por distração.  

Os jogadores, conforme combinação prévia, podem apostar uma ou mais bolinhas que depois serão escolhidas entre as de propriedade do perdedor. Muito disputadas são as "águidas", leitosas e coloridas. Ocorrem brigas quando o perdedor paga sua "dívida" com bolinhas "nicadas", ou também quando o jogador dá um impulso com a mão ao efetuar a jogada. O impulso deve ser dado apenas com o polegar.

Boco ou Imba - um pequeno buraco circular é feito no chão geralmente com o calcanhar ou com um pedaço de madeira ou pedra. O jogo pode ser feito com um ou mais bocos.

O termo boco vem do tupi Boc ou boque que quer dizer abertura ou racha pequena. Para "tirar o ponto", uma bola maior é colocada a uma distância de quatro metros aproxima damente, e quem jogar a sua bolita mais perto desta tem o direito, de iniciar a brincadeira, mas para "tirar o ponto", ninguém quer começar e quem grita em primeiro lugar "último" adquire este direito, que lhe dá a vantagem de caprichar mais na jogada, colocando-se mais perto do ponto.

Quando as distâncias não estão muito definidas, as dívidas são sanadas por medição feita em pés, ou seja, colocando o calcanhar ou salto do sapato perto da bolita em direção a ou tra. Conta-se os pés e, se a distância é menor couta-se em palmos ou dedos atravessados.

 As partidas podem ser simples ou em torneios que duram 3 ou 4 dias.

No jogo do Triângulo é feito um gráfico no chão e colocadas as bolinhas sobre os vértices, e quando é maior o número de jogadores "casam" também sobre os lados. É vencedor quem consegue colocar dentro do triângulo as bolinhas dos adversários. No jogo da Circunferência o procedimento é o mesmo. Quando o jogador está em má posição para efetuar a sua jogada, pode pedir distância, isto é, mudar-se para outro ângulo, porém conservando a distância real da verdadeira posição.

Como na maioria das brincadeiras infantis, o jogo de bolita possui uma linguagem própria, chamam de "bochão" a bola maior que as outras, "aça", as esferinhas de metal; "nicada" é a bolinha lascada, e "Nica" a favorita para o jogo; "rabar" é errar, e "casar" é colocar bolinhas em jogo.

Carreira de Boi

Diversão popular registrada em várias localidades do vale do Jacuí, a Carreira de Bois na "talha" é  uma competição de força e adestramento entre bois e touros. A denominação Carreira - expressão popular ainda ligada às antigas modalidades competitivas  entre bois - não mais denota corrida. Os bois competidores são jungidos em uma canga especial,  presa a cambões estirados por alçaprema ou talha, ligada a um palanque irremovível. O boi carreiro quase não se afasta do lugar onde está cangado, embora forcejando. Considera-se  vencedor o animal que sustentar a canga em posição mais avançada, durante um minuto à frente do  outro.

Em qualquer época, os donos dos animais "atam" a Carreira, isto é, combinam a competição,  desde que os bois estejam em condições. Na manhã do dia escolhido, os contratantes tomam várias providências: pesagem dos animais, escolha do terreno propício, colocação da tronqueira ou palanque,  com a respectiva escora para a bimbarra ou "talha", colocação do "morto" (tronco enterrado em uma  vala), etc.

A Carreira obedece a regulamentos estipulados oralmente entre os contratantes. Estes escolhem pessoas consideradas idôneas para ajuizar a competição: "o cuidado do mau jogo" e o juiz da Carreira. Como outras modalidades de competição, a Carreira reúne torcidas animadíssimas, que aos gritos  se desafiam, fazendo apostas em dinheiro. A cancha é, outrossim, ponto de encontro dos vizinhos.  Embora as competições ocorram mais frequentemente à tarde, grande número de pessoas já se encontra,  pela manhã,  no local, onde, em botequim improvisado, comercia comidas e bebidas.

Carreira de Cancha Reta

A carreira foi o esporte e o jogo de preferência do homem do pampa. Fazia parte tanto de negócios que envolviam grandes somas de dinheiro como das brincadeiras telúricas. Os ginetes, em pleno campo, se desafiavam. Muitas vezes, no retorno das campeiradas, tiravam cismas de quem possuía o cavalo mais rápido. Todavia, no geral, "atavam" carreiras para datas específicas, geralmente aos domingos.

Nos primeiros tempos, as carreiras eram disputadas com os cavalos de trabalho, os CRIOULOS. Esses eqüinos, de origem ibérica possuíam grande predominância de sangue árabe. Com o passar dos séculos, foram apurados e terminaram se definindo como raça específica do Cone Sul e muito valorizada nas atividades de pastoreio. Os carreiristas sempre preferiam a "cancha reta", de metragem não muito longa. O percurso podia ser de 260 a 400 metros. Com o hábito das carreiras e invariavelmente com o volume de dinheiro envolvido no jogo, a atividade também se transformou em negócio. A paixão de muitos homens pelas carreiras provocou a perda de grandes fortunas: rebanhos e até estâncias. Conta-se que os gaúchos chegavam a apostar as próprias mulheres.

Participar com certa garantia de sucesso significava preparar apropriadamente os cavalos. Dessa forma, apareceram duas especialidades vinculadas às carreiras: a do compositor e a do jóquei.

Ouvir pelo MediaPlayer Ouvir pelo Winamp Android iTunes Facebook